Header widget area left
Header widget area right

Preto Velho (Por Zair Batalha)

por Lucas Batalha em Artigos

Sinto um rumor diferente chegando. É um calorzinho no coração, uma alegria pura, uma sensação de paz que acolhe meu peito e me fala de amor fraterno.


O ar está diferente; menos denso e mais leve, porém mais forte. O que será que está acontecendo? Que aura tão linda é essa, que a atmosfera assimila, deixando-a límpida e confiante.

Que força é essa que assola nossos corações e nos embala em seus braços amorosos…
Vejo lá longe, um banquinho e um cachimbo… oh Pai Oxalá, é o Senhor quem nos traz essa bênção… porque agora vejo também, seres de luz, que andam devagar, sem pressa de chegar, porque muito já correram.


São homens e mulheres iluminados pelo resgate do sofrimento que passaram e pelo amor que espalham.
Sentam em seus banquinhos e fumam seus cachimbos, rezam seus terços, e se preparam pra nos benzer. Para tirar os mau olhados, a espinhela caída, as dores das nossas almas.


Com suas velas acesas, fumam seu café, amargo para não esquecer os tempos de dor, que lhes garante a permanência da humildade, mas que também nos garantem o remédio que cura nosso corpo.


Mamães e Vovós, Papais e Vovôs , não importa o nome que carregam, somente o amor que trazem no coração. A mansuetude de suas palavras, aos poucos vão nos acalmando, porque nos sentimos em seus colos abençoados. As folhas, que são seus instrumentos de trabalho, vão fazendo a limpeza em nossos perispiritos e, ao final, já nos sentimos melhor, fortalecidos, acalentados e amados. Porque eles nos chamam carinhosamente de ‘fio /fia”.


Sim. São ELES. Os nossos Pretos e Pretas Velhas. Nosso amparo para toda hora. As Santas Almas Benditas, que curam nossas feridas, sejam elas do corpo ou do espirito, ou da alma.


Não importa. O que importa, hoje, é dizer GRATIDÃO ETERNA, a todos esses trabalhadores incansáveis que vêm ao mundo, – em terra – para nos socorrer.


Adorei as Almas – para sempre adorarei
Amei as Almas – para sempre amarei
Agradeço as Almas – gratidão eterna

Texto escrito por: Zair Batalha Fernandes

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Open chat